[Resenha] Escola dos Mortos

29 abril 2017



Eu li um livro essa semana e eu não poderia deixar de falar dele para vocês.
Há uma semana mais ou menos um perfil no insta (@livro_escoladosmortoss) começou a me seguir e quando eu fui olhar o perfil, vi que se tratava da divulgação de um livro e na descrição do perfil havia o link para baixar o livro. Logo de cara pensei “Obaa, livro de graça!’ e como o título já havia chamado minha atenção, não pensei duas vezes. Baixei.
O livro se chama Escola dos Mortos. O título meio sombrio me chamou a atenção porque amo um mistério (por isso sou apaixonada pelo Dan Brown).  Assim que abri o livro eu li a sinopse e pensei “Olha, bem interessante”, após a sinopse vem abaixo uma citação de Dante Alighieri e pensei “Opa *-*”, mas após essa citação vem o prólogo, quando li o prólogo pensei “Eita pega, meu Pai amado, alguém me segura”.  Vou colocar o prólogo aqui embaixo só pra dar um gostinho à vocês.

PRÓLOGO
Sou cruel. Sou inevitável.
Milhares me temem, milhares fogem de mim. Mas sou indomável, sou a força da natureza. A humanidade sempre procurou subterfúgios contra mim – religião, ciência, misticismo. Eu não aviso a hora da minha chegada, mas sempre encontro aqueles por quem procuro.
Sim, posso ser terrível – mas adivinhem: gosto de brincar. E, ah, seres humanos, com seus corações volúveis e vulneráveis... Eles são meus brinquedos preferidos. Manipulá-los é minha maior diversão. Sabe, a eternidade pode ser um pouco tediosa.
Por isso, criei para mim um mundo extraordinário. Mas hoje não estou aqui para falar de mim; vim contar uma história. Por muitos anos, essa foi a mais estranha e fascinante que se desenrolou em meu mundo privado, meu mundo oculto – lá onde não há luz nem da lua, nem do sol. E dentro dos caixões, os mortos nunca dormem.
Deixo-te, então, para que possa descobrir através de outros olhos a história daqueles que me desafiaram. E agora que já vou, posso me apresentar.
Sou a Morte.
E um dia a gente se encontra.


Então... Ficaram arrepiados como eu fiquei?
Mas vamos logo ao que interessa né?
O livro conta a história de Lara Valente, uma jovem brasileira de 18 anos que mora no Rio de Janeiro com sua mãe Helena e sua irmã mais nova, Ana. Lara descobre que um avô que 
nunca chegou a conhecer, lhe deixou uma herança. Porém para Lara poder receber essa herança, ela deveria cumprir a única cláusula que seu avô especificou em seu testamento, ir estudar em uma escola em Londres. A Escola dos Sotrom.
Lara de início cogita não ir à escola, afinal ficaria longe de sua família; mas quando descobre a quantia que iria herdar acaba não resistindo e se mudando para escola.  Chegando lá Lara descobre que a escola é extremamente estranha e sombria, as pessoas e os funcionários são esquisitos... Tudo muito diferente do que ela esta acostumada.
Em sua primeira noite na escola, Lara conhece um homem que irá mudar a sua vida. Que será a sua salvação mas também a sua ruína.  Lara tenta a cada dia se adaptar a sua nova rotina a sua nova casa e aos novos amigos, mas quando esta finalmente conseguindo compreender um pouco mais sobre a escola, Lara é assassinada e aí sim ela começa a viver. 

Esse livro é cheio de mistérios, suspense, humor, terror e muito romance. Não há como não se apaixonar pela história. Eu mesma fui consumida por ela, lia em cada segundo disponível que eu possuía e a cada capítulo eu ficava ainda mais encantada. Creio eu que vocês também ficarão!

E para vocês meus amores eu tenho uma surpresa especial. Entrei em contato com a autora e ela aceitou responder algumas perguntinhas para o blog e também deixou que eu disponibiliza-se o link para vocês baixarem o livro. Então vamos as perguntinhas!


Bate papo com a autora – Karine Vidal:

1 – Você me mostrou seu insta pessoal, pude ver nele que você é bem nova. Qual sua idade?
R: Tenho 22 anos.
2 – O livro me consumiu de uma forma intensa, de onde você tirou a inspiração para escrevê-lo?
R: Sonhei com o Luka. Ele me impressionou. A partir daí a estória foi surgindo em torno dele. Como tenho essa veia obscura característica da minha escrita, a estória estava fadada a ter mistério e um elemento sombrio! Rs
3 – Você possui uma formação acadêmica?
R: Estou me formando em Direito no final desse ano. Ainda pretendo cursar História ou Arqueologia
4 – Faz tempo que você escreveu o livro? Ele é o seu primeiro livro?
R: Escrevi o livro com 18 anos, mas ficou esquecido no meu computador. Minhas primas leram esse ano e me impulsionaram a divulga-lo, então resolvi investir. Esse na verdade é meu terceiro livro, mas os outros dois não irei abrir ao público, pois não acho que vale a pena investir.
(Acho que devemos agradecer as primas ein?!)
5 – Foi difícil escrever este livro?
R: Não, foi mega fácil. Eu amei os personagens, ri com eles, chorei com eles. Me encantei pelo Luka e me senti a própria Lara. Todo o tempo a escrita foi fluída, rápida, gostosa, pois eu estava me divertindo naquela estória. Amei cada segundo!
6 – Pretende fazer uma continuação para ele?
R: Sim! Vai ter! Vou começar a escrever assim que passar minha prova da OAB. Mas só vou divulgar a continuação se uma editora se interessar em nos publicar 😂
(Oremoooos)
7 – Tem intenção de escrever outros livros? Seguirá escrevendo romances?
R: Tenho sim, amo escrever! Claro, todos serão romances. É o tema que me interessa.
8 – Como você se sente quando alguém expressa como se sentiu ao ler o seu livro?
R: Maravilhosa e emocionada. É lindo saber que o mundo na sua cabeça toca o coração das pessoas.
9 – Gostaria de deixar alguma mensagem especial para os leitores do Desapegados do Mundo?
R: Continuem a ler, pois isso é lindo e muito engrandecedor. Espero que Escola dos Mortos possa causar tantas emoções gostosas em vocês como causa em mim.

É isso aí galerinha, espero que tenham gostado e que leiam o livro. E quando lerem, deixem aqui embaixo nos comentários o que acharam. Ok?

Os nãos de Deus

17 abril 2017



Eu tenho uma lista enorme de sonhos frustrados... Das vezes que eu planejei tudo e Deus disse não. 
Eu tenho os joelhos calejados... Das vezes que implorava pedindo a Deus que fizesse a minha vontade e tapava os ouvidos para ouvir a dele. Deixei meu coração aos caquinhos insistindo no que eu achava que era melhor.
Deus parecia se calar quando eu o buscava. Mas na verdade ele dizia não e eu me negava a dar ouvidos.
Quando meu coração tava moído de tanto dar murro contra  a parede foi que eu acordei pra realidade. Quando já não havia mais o que se abater dentro de mim foi que eu deixei o meu eu e dei ouvidos para a voz de Deus.
Então Ele (ou eu) me permitiu entender o porque dos seus "nãos".
Passou um filme pela minha cabeça... Havia uma certa grandiosidade em cada um deles - nos nãos - Deus enxergava o meu amanhã enquanto eu só pensava no que me deixaria feliz hoje. Deus queria me dar o eterno enquanto eu ansiava pelo o que era passageiro.
O tempo passou. Eu amadureci. Meus sonhos mudaram. 
Hoje eu imagino o caos que seria minha vida se Deus tivesse dito sim para aqueles meus sonhos bobos. 
Hoje eu posso ver a grandeza escondida nas entrelinhas de cada "não" de Deus. 

Ontem doía. Eu não conseguia entender nada. Hoje tudo faz sentido.
Não adianta fazer birra, Deus é um bom pai, e como todo bom pai, sempre nos dá o que é melhor. Ele nos ama tanto que seria incapaz de satisfazer todos os nossos desejos. 
Parece clichê mas o segredo é confiar. Não questionar quando Deus fizer o contrário do que você pediu. Você pode não entender hoje, mas amanhã, tudo fará sentido.

.
.
.

Talyta Oliveira

Leia o post anterior: O mundo precisa de pessoas apaixonadas... 💗

O mundo precisa de pessoas apaixonadas... Por elas mesmas...

13 abril 2017



O motivo da falta de sorrisos nos rostos de hoje é bem simples: bem-estar terceirizado. Gente que acha que sua felicidade depende unica-e-exclusivamente de outro alguém ou de algo. Dão a volta no mundo procurando o que está dentro delas. "Se eu tiver isso vou ser feliz" " Se eu encontrar alguém vou ser feliz" " Se eu me mudar daqui vou ser feliz"... Papo furado de quem precisa se encontrar, se conhecer e enfim se amar. 
Sabe de que o mundo precisa? De pessoas apaixonadas, mas por elas mesmas. Que se bastam. 
Tu sabes valor que tem? Se valorize! 

Tenha sempre aquele velho amor que fica quando todos se vão: próprio.
É impossível amar o próximo quando não sabemos amar nem a nós mesmos.
Sua felicidade só depende de você. Seja feliz consigo mesmo, aí onde está, para depois atravessar fronteiras contagiando os outros com o que está dentro de você.
Vasculhe seu interior e se surpreenda. Faça uma faxina na alma. Tire a poeira dos móveis. Aliás, deixe o doce carpinteiro entrar e trazer móveis novos.
Aprenda: a arte de estar bem consigo mesmo vem acompanhada de um bocado de realizações.

[Resenha] Caixa de Passáros-Josh Malerman

06 abril 2017

 Sinopse:  Caixa de Pássaros - Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler. Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois de o surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.



Que livro incrível! É difícil colocar em palavras o quão envolvente e impactante revelou-se a leitura de Caixa de Pássaros. Nunca havia lido algo assim: tão aterrorizante e angustiante. E mais, em nenhum momento imaginei que ao invés de torcer para não ficar amedrontada (o que, sem dúvida, seria o mais provável), eu vibraria com o terror presente na história. O fato é que o grande charme da obra é que ela é dolorosamente intensa. Cada emoção narrada – medo, confusão, desamparo, angústia – é descrita para que o leitor sinta na própria pele as experiências da protagonista; motivo pelo qual é impossível não devorar cada página dessa surpreendente e instigante históriade suspense e cegueira.


A trama traz como cenário uma epidemia global que tem enlouquecido os seres humanos. Os casos começaram na Rússia e aos poucos infestaram o mundo, aterrorizando todas as nações. Acontece que ao ver algo – uma criatura, talvez – o homem fica tão apavorado que, além de enlouquecer, acaba se suicidando. Enforcamento, automutilação, autocanibalismo...Não importa como, ver tal ser misterioso leva as pessoas a se matarem imediatamente. Desesperadamente, a população passa a estocar alimentos, tampar todas as janelas e portas de casa e, como medida preventiva, usar vendas. Entretanto, por quanto tempo alguém consegue ficar recluso e, principalmente, com os olhos fechados? O caos está instalado, a comida é escassa, as pessoas estão morrendo, e o pior é que não é possível saber o que está causando tudo isso. Ver não é mais seguro, talvez nunca mais será.


É um blecaute, pensa Malorie. O mundo, o exterior, está sendo desligado. Ninguém tem respostas. Ninguém sabe o que está acontecendo. As pessoas estão vendo alguma coisa que as leva a machucar os outros. A machucar a si mesmas. As pessoas estão morrendo. Mas por quê?

Suspense | 272 Páginas | Cortesia Editora Intrínseca |  Compare & Compre: Saraiva • Amazon • Cultura| Classificação: 5/5 

Acompanhamos o mundo desmoronar sob o ponto de vista de Malorie, jovem que, por estar grávida, luta com coragem e determinação por sua vida e a de seu bebê. Um dos pontos positivos da obra é que a narrativa da protagonista é intercalada entre presente e passado: um passado de tragédia, morte e medo, e um presente de incerteza e esperança. Ao longo da leitura as peças do quebra-cabeça vão se encaixando, fazendo com que a união de passado e presente torne a narrativa ainda mais instigante e surpreendente. Outro aspecto favorável são os momentos de pura aflição que passamos ao lado de Malorie. Ter um filho, perder as pessoas que ama, ver de olhos fechados o mundo desmoronar e ainda manter-se sã? Isso é para poucos. Muitas vezes me perguntei se no lugar dela teria coragem para seguir em frente. E sinceramente? Sei que a resposta é não. Então, pontos para o autor por criar uma heroína como essa. Sem dúvida virei fã da personagem e da sua força monumental.
Além do cenário incrível e da protagonista corajosa, o autor também encanta por ter uma narrativa fluída e real. Como já disse anteriormente, sua escrita nos permite sentir o mesmo que a Malorie, quase como se nossos olhos também estivessem vendados. Adorei cada sensação gerada pela leitura, me deliciando com a mescla de emoções causadas por essa história que, mesmo sendo fantasiosa, me levou ás lágrimas e me fez refletir sobre o futuro do mundo, sobre como seria levar uma vida completamente nas trevas. Tenho uma única ressalva para quem espera explicações e teorias mirabolantes: tenham em mente que a trama é, antes de qualquer coisa, sensitiva. O objetivo do autor é mexer com nossas emoções, portanto, faltam detalhes sobre como o mundo começou a desmoronar e a respeito da verdade por trás das criaturas que afligem a humanidade. Questões que, sendo sincera, não afetam o rumo da história, muito pelo contrário, tornam ela ainda melhor. – Não saber o que temer é a grande aposta do autor.
Simplesmente me apaixonei pelo livro! Creio que minha resenha não fez jus à obra, portanto fica o apelo: leiam a história e deixem-se cativar pelo talento do escritor Josh Malerman. Quem sabe ele também não te surpreende?


Tecnologia do Blogger.